Cataratas do Iguaçu: lado argentino x lado brasileiro

0
109

agora que já vi os dois lados vou deixar aqui meus pitacos sobre essa complexa discussão patriótica.

essa história de que o lado argentino é melhor porque de lá se vê o lado brasileiro é mor papo furado. do lado argentino a gente vê mesmo, e muito mais, o lado argentino mesmo. do lado brasileiro a gente vê também o lado argentino, bastante dele, em panorâmica; também se vê um meio que eu não sei de que lado está, então vamos deixar por isso mesmo.

os dois lados têm quatis.

2014-05-09 11.22.00
quatis brasileiros.
um quati argentino.
um quati argentino.

no lado argentino se tem uma ótima visão da Garganta do Diabo, que é a primeira das quedas, e aparentemente das mais altas e potentes. isso porque, claro, é uma garganta e um monte de água se concentra ali. do mirante não se consegue ver o ponto de contato da queda d’água com a base, tanta a água em gotículas que sobem loucamente, inclusive te molhando todo.

img_0084
garganta del diablo!

os outros circuitos também dão uma visão sensacional das outras quedas, menores, e não por isso menos interessantes. em alguns lugares a visão parece coisa de filme feito no computador. com sol, tem arco-íris pra todo lado. no circuito inferior, um dos pontos de mirante fica bem próximo à base de uma das quedas, e é hora de tirar a capa de chuva da mochila e se meter ali pra ficar pertinho da água (e todo molhado).

parece de mentira.
parece de mentira.
de braços erguidos tem uma Olivia.
de braços erguidos tem uma Olivia.

o lado brasileiro começa com uma panorâmica do que se vê mais de perto no lado argentino (nos circuitos superior e inferior). é incrível, claro, mas a sensação inicial é de que tudo está longe demais: o impacto inicial, sem dúvida, é menor. aos poucos, isso vai mudando: a trilha do parque no lado brasileiros vai fazendo crescer a proximidade com as quedas. desde o começo, uma “garoa” fina se faz onipresente. não é chuva não: são as cataratas.

primeira visão no circuito do parque brasileiro.
primeira visão no circuito do parque brasileiro.

em seguida se tem uma visão boa do rio depois das primeiras quedas, e de umas quedas laterais que não se podem ver no lado argentino. não estamos tão próximos, é verdade, mas já mais próximos do que no primeiro mirante, e um pouco mais molhados. com sol, arco-íris pra todos os lados!

vai ficando mais interessante.
logo vai ficando mais interessante.

aí chega a vez do mirante da Garganta do Diabo. ao contrário do lado argentino, ele se faz mais por baixo, e não se chega tão perto: ainda assim, tem-se uma visão mais completa da garganta. e dá pra se molhar com a água que vem das quedas mais próximas, numa ventania sem fim.

o mirante lá na ponta. claro que ali fica impossível tirar foto sem uma câmera à prova d'água.
o mirante lá na ponta: a garganta do diabo está metida ali pra esquerda. claro que ali fica impossível tirar foto sem uma câmera à prova d’água.

dito isso:

  • não sei qual foi MELHOR. o lado argentino é mais IMPACTANTE, e no brasileiro você vê mais coisa, mas mais de longe (por isso também o circuito é bem mais curto).
  • o preço (pra brasileiros) é praticamente o mesmo nos dois lados.
  • se quer levar de vez o CHOQUE das cataratas, vá primeiro ao lado argentino, direto à Garganta del Diablo; se quer fazer crescer a empolgação aos poucos até praticamente dar um abraço nas quedas d’água, melhor é começar pelo lado brasileiro.
  • vale ir nos dois lados e decidir por você mesmo qual lado é mais legal.
  • o parque argentino é maior, e você caminha bem mais; tem mais coisa pra ver, talvez porque a maior parte das quedas propriamente ditas estão do lado de lá. considerando o transporte de Foz até Puerto Iguazu, é passeio pra um dia inteiro e é melhor sair cedo (eu fui com um monte de gringo e por isso a gente teve que parar na imigração brasileira, o que fez demorar mais).
  • o parque brasileiro se faz em uma manhã; dá tempo de sair de lá e ir visitar o parque das aves do outro lado da rodovia.
  • não faça como eu que esqueci de levar o cartão de memória da câmera fotográfica (tirei e não devolvi) e só pude tirar fotos com o celular no lado brasileiro. ops.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here